A Gestão de Processo busca os motivos que levam a geração dos resíduos e a busca pela sua minimização, ao passo que o sistema convencional de produção se preocupa com o que fazer com o resíduo gerado.  Algumas empresas vendem os seus resíduos (como retalhos e sobras de papel), porém, mesmo vendidos, os resíduos têm um valor muito menor do que o pago quando foi comprado pela empresa. Toda empresa deveria adotar uma política de racionalização no uso da matéria-prima, pois isso significa economia de recursos e proteção ao meio ambiente. Mesmo reduzindo a geração dos resíduos, ainda sobram alguns que são inevitáveis.

Diferença no enfoque da gestão em relação aos resíduos:

Fonte: Biermann, Maria Julieta Espindola Gestão do processo produtivo. — Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2007.

Fonte: Biermann, Maria Julieta Espindola Gestão do processo produtivo. — Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2007.


Algumas maneiras de gerenciar a geração de resíduos são:

Reduzir na fonte, evitando a sua geração através da otimização no consumo.

Reutilizar, criando produtos alternativos que encaixem nas sobras e possam ser comercializados. Procure dar atenção aos subprodutos a partir dos retalhos, pois eles podem valer o mesmo que as peças da coleção.

Reciclar, vendendo para outras empresas que utilizem seus rejeitos como fonte de matéria-prima.

Separar os resíduos na fonte

Fazer essa separação é muito importante. Muitos dos resíduos têxteis possuem mercado comprador, porém somente adquirem um valor comercial aqueles que estiverem separados e sem contaminação. Exemplo: alguns tipos de resíduos, tais como retalhos e aparas de tecidos com fibra natural de lã ou algodão, podem ser reprocessados, gerando novamente tecidos, porém uma vez contaminados perdem esta propriedade. Se o valor do resíduo sempre é menor que o da matéria-prima original, se esse resíduo não estiver separado, valerá menos ainda.

Deve-se evitar a mistura de resíduos, aumentando a possibilidade de vendê-los para reciclagem. A RESOLUÇÃO CONAMA N° 275 estabelece o código de cores e recomenda sua utilização para os diferentes tipos de resíduos, a ser  adotado na identificação de coletores.

Se cada empresário de confecção implantar a separação de resíduos em sua empresa isso fará grande diferença para o meio ambiente e para o bolso.

Abaixo alguns exemplos de aproveitamento de retalhos:

Retalho1

Retalho2

O estilista Geová Rodrigues trabalha o conceito de sustentabilidade em seu trabalho, aproveitando retalhos:

Geová Rodrigues

Geová Rodrigues

Já a designner Prita Gomes desenvolve belos colares em tecido:

Colar de Prita Gomes

Colar de Prita Gomes

Outra marca, a Lixiki, das empresárias das empresárias Ana Borba e Ana Lins, desenvolve  produtos com o conceito de reutilização de materiais. Não setrata de reciclagem, na regra 3 Rs (REDUZIR, REUTILIZAR E RECICLAR), a reutilização é um bem ambiental maior, pois o resíduo não precisa passar por nenhum processo industrial de reciclagem.

A Lixiki também desenvolveu em parceria com a Lumisol, empresa especializada em cenografia natalina e integrante do Grupo EDESA (Edson Equipamentos Elétricos Ltda), Árvores de Natal com tecnologia inovadora, que viabiliza sua produção em grandes quantidades, mantendo o foco em responsabilidade socioambiental.Um grupo produtivo formado pelas esposas e parentes dos funcionários da EDESA deu origem a uma estação de trabalho que foi capacitada para trabalhar com manufatura de produtos a partir de materiais de descarte desenvolvidos e coordenados pela Lixiki.
Colares da marca Lixiki
Colares da marca Lixiki
Bolsa da marca Lixiki

Bolsa da marca Lixiki

Trabalho de reaproveitamento de resíduos em parceria da marca Lixiki

Trabalho de reaproveitamento de resíduos em parceria da marca Lixiki


Para saber mais visite:

www.mma.gov.br/port/conama/res/res01/res27501.html

http://www.ecodesenvolvimento.org.br/noticias/estilistas-sustentaveis-conheca-geova-rodrigues

http://www.pritagomes.com/

http://www.lixiki.com.br/

Conheça a minha loja de Desenhos técnicos vetoriais de moda! Dispensar