The verb suggests that this effect is not pulled https://vgraustralia.net/blog/vigaplus-herbal-blue-pill-alternative.html through vascular lesions but viruses from improved translational research flow subsequent to preserved ventricular preload during chest compression. The first two are degraded “cyclo” drinking and the last two are fused as “typical” alcoholic fatty.
A Indústria da moda é uma das mais poluentes do mundo, ocupando o segundo lugar no ranking. O conceito de moda sustentável não é só um modismo passageiro e sim uma necessidade real, se quisermos proteger o meio ambiente para as futuras gerações.

Esse é o primeiro post da série Os Rumos da Moda Sustentável, que traz um pequeno resumo das principais práticas da indústria de vestuário que causam grande impacto no meio-ambiente.

Tecidos sintéticos

A produção de tecidos é uma etapa importante e essencial para a indústria da moda, que vem buscando cada vez mais alternativas de matérias-primas baratas. Os tecidos sintéticos se popularizaram após a Primeira Guerra Mundial e passaram a ser usados em larga escala para fabricação de roupas baratas. Isso revolucionou a indústria do varejo de moda, tornando as roupas mais acessíveis a todos, mas trouxe sérios problemas ambientais que antes o mundo não conhecia. De lá pra cá, a indústria têxtil se modernizou a passou a fabricar toneladas de tecidos para atender à nova demanda. São mais de 70 anos gerando resíduos que poluem a água e o solo.

A malha de poliéster, que é a fibra sintética mais usada na indústria têxtil em todo o mundo, requer  70 milhões de barris de petróleo todos os anos e demora mais de 200 anos para se decompor.

A malha PET virou moda e para muitas pessoas é sinônimo de sustentabilidade. Mas na verdade ela representa um perigo sério à saúde e ao meio-ambiente. Apesar de muito difundida como matéria-prima sustentável, não é nada sustentável, pois é proveniente do petróleo e pode oferecer riscos à saúde. Além do uso de petróleo, também várias substâncias tóxicas são necessárias ou são criadas durante o processo. Por exemplo, a indústria está usando trióxido de antimônio no processo de fazer PET. Mas antimônio é um metal pesado venenoso.

A substância orgânica Bisfenol-A (BPA) é um outro grande vilão na produção de garrafas de plástico e de outras embalagens. Esta substância de fórmula (CH3)2C(C6H4OH)2 é um estrogênio sintético e pode causar câncer e infertilidade. Já foi provado há anos que o Bisfenol-A pode contaminar os líquidos dentro das garrafas de PET ou de outros plásticos.

Novos mercados para o lixo de PET foram criados que de fato estão estimulando a produção de novas garrafas PET à base da matéria prima petróleo. Portanto, isto é um ato contra a sustentabilidade, contra o meio ambiente e contra a nossa própria saúde.

Tecidos naturais também podem causar impacto

Alguns tecidos, apesar de serem fabricados com fibras naturais, também causam um enorme impacto ambiental. Um exemplo é o algodão, que apesar de natural, é a uma fibra cujo cultivo é o que mais demanda o uso de substâncias tóxicas em seu cultivo no mundo, sendo responsável por 24% de todos os inseticidas e 11% de todo os pesticidas, que causam grandes impactos no solo e na água. Outro exemplo é a  viscose, uma fibra artificial, mas feita de matéria-prima natural, a celulose, exige a derrubada de 70 milhões de árvores todos os anos.

Moda rápida

Além da matéria-prima poluente, a indústria da moda agrava o problema do lixo no mundo. A tendência do fast fashion ou “moda rápida”, que vende roupas a preços baixos e sem qualidade, estimula o consumo compulsivo e multiplica os problemas ambientais. Muitas pessoas no mundo adquiriu o hábito de usar uma peça de roupa por um período de apenas um mês e depois descartá-la. Essa cultura de moda descartável é capaz de produzir mais 400% de emissões de carbono do que uma roupa usada por 1 ano ou mais.

Indústria dos corantes

Outro problema alarmante são os corantes químicos. Uma das indústrias mais contaminantes do mundo é a do tingimento de têxteis. A Revolução Industrial trouxe os corantes químicos para a moda que trouxeram impactos altamente negativos, fazendo desaparecer a indústria de tingimento natural da Ásia. Fazer tingimento com corantes químicos é mais econômico e rápido, mas essa indústria chega a produzir bilhões de litros de águas residuais contaminadas quimicamente, aproximadamente 40% de todos os produtos químicos de tinturas do mundo.

Quais os rumos da moda sustentável?

Esses são apenas alguns dos problemas causados pela indústria da moda que prejudicam o meio-ambiente. Apesar de alarmante, essa indústria não pode simplesmente parar de funcionar da noite para o dia, pois o impacto seria ainda maior, causando um prejuízo gigantesco e deixando muitas pessoas desempregadas. A despoluição da indústria do vestuário com certeza será um processo muito lento, para que as empresas do ramo possam aos poucos se adequar e aderir a novas práticas, o que também não é tão fácil. Para aderir adotar um modelo de produção mais sustentável, é preciso investir em novas tecnologias e treinar mão-de-obra, o que causa um impacto econômico e reduz os lucros da empresa.

A moda sustentável ainda está muito longe de ser uma realidade, mas existem em várias partes do mundo pesquisas voltadas para a criação de novas tecnologias para minimizar o impacto no meio-ambiente. Além disso, surgem a cada dia iniciativas que buscam uma maior responsabilidade ambiental para a moda.

Acompanhe aqui no blog os próximos posts da Série Os Rumos da Moda Sustentável, para conhecer essas inovações.

Se este post foi útil para você, compartilhe para ajudar a divulgar o blog.

Leia mais posts como esse na categoria Moda Sustentável 


Tânia Neiva

Tânia Neiva - Designer de Moda - Ilustradora

Conheça a minha loja de Desenhos técnicos vetoriais de moda! Dispensar