Skip to main content

Tudo que você precisa saber sobre papel para desenho

Um pouco de história

O papel  foi inventado na China em 105 A.C.. A maioria dos historiadores atribui a Ts’ai Lun da China, ministro de obras públicas do imperador Ho-Ti, o feito de ter criado o papel. Para a fabricação do papel utilizou a camada interna da casca da amoreira misturada a trapos, cânhamo e velhas redes de pescaria. Estes materiais foram reduzidos a fibras que, trituradas e emaranhadas, transformaram-se em uma folha.

Naquela época o processo de fabricar papel consistia em bater os materiais até obter uma mistura pastosa, que era colocada em um  recipiente e diluída em água. No fundo do recipiente era colocado um molde raso e poroso e quando este era retirado a água escoava pelo fundo, deixando uma camada de fibras. Ao secar, esta camada de fibras formava uma folha de papel.

Apenas cem anos mais tarde o papel se tornaria conhecido por outros povos, mantendo a China o monopólio de sua fabricação. No ano 610, provavelmente, no inverno foi levado à Coréia, e de lá ao Japão. No inicio do século VIII, os árabes invadiram a China, e descobriram o segredo da manufatura do papel. Os Árabes foram os primeiros a introduzir as oficinas de papel no ocidente. Em 1150, os Árabes estabeleceram as fábricas de papel na Espanha Toledo e Valença, que abasteceram por muitos anos os países da Europa.

Durante centenas de anos,o papel era produzido à mão a partir de pasta de trapos. A França, no Herault (1189), deu início a sua própria fabricação. Na Itália (1273), Fabriano e Bolonha fundaram suas primeiras manufaturas, sendo instituída em Fabriano (1293) a maneira de identificar o papel por meio da marca d’água. Assim, o invento do papel e o processo da fabricação foram levados à Suíça (1275), Alemanha (1320), Portugal (1411), Inglaterra (1490), México (1575), Estados Unidos (1690) e Brasil (1811).

Em 1928, o artista plástico Dard Hunter instalou um engenho em Connecticut, a fim de confeccionar papel artesanal em pequena escala, e sua intensiva pesquisa influenciou a maioria de todo o nosso material de consulta. Ele viajou pelo mundo juntando uma enorme coleção de equipamentos para confecção de papel artesanal, e amostra de papéis, que hoje encontram-se no museu e Biblioteca Dard Hunter, no Institute of Paper Chemistry em Appletown, Winsconsin.

No Brasil  foi construída a primeira fábrica de papel em 1809/1810, em Andaraí pequeno,RJ.

Características 

    Os tipos de papeis são essenciais para o resultado do desenho assim como a marca que o fabrica. Existem tipos de papeis que são fabricados por diversas empresas, mas existem alguns que só uma empresa o fabrica. Por exemplo: Só a marca Schoeller comercializa os tipos de papéis Hammer 1G/1R, Hammer 3G/3R etc. As principais características que definem o um papel são o tipo de fibra, a textura, a gramatura, o pH e a goma ou  colagem. 

Tipos de Fibra

  • Fibras de folhas – a indústria têxtil e a cordelaria usam os fios tirados das folhas de certos vegetais por raspagem manual ou mecânica. Exemplos de fibras de folhas: sisal, pita, yuca, gramíneas (trigo, arroz, aveia, centeio, cevada, etc.), caroá, espada de São Jorge entre outras.
  • Fibras de Fruto – a fibra do algodão é usada na maioria dos papéis de trapo. Seu fruto contém as sementes que produzem os pêlos. Os melhores papéis para desenho, são feitos do trapo de algodão, por serem quase que celulose pura.

Textura 

A textura define a característica física do papel e é perceptível ao toque. Podemos considerar como textura, tanto o aspecto da superfície do papel (lisos, texturados, telados, calandrados, etc.), quanto ao seu grau de rigidez. Cada tipo de desenho, dependendo da técnica e material utilizado, pode necessitar de uma textura diferente.

Goma ou Colagem 

    O tratamento de colagem do papel consiste em adicionar ao papel algum tipo de resina ou cera repelente a líquidos. Um papel sem colagem, por exemplo é um papel absorvente (papel toalha). 
    A colagem pode ser na massa, ou em superfície. Um papel colado na massa evita que a água seja absorvida rapidamente, característica fundamental para a vivacidade das obras de arte, pois um papel artístico colado na massa absorve lentamente, levando o tempo suficiente para que o pigmento que foi dissolvido em base aquosa seque na superfície do papel, mantendo a mesma cor do desenho do começo ao fim do trabalho.

Densidade do Papel

Segundo o padrão ISO, a grossura e densidade de um papel é expressa em gramas por metro quadrado (g/m²), unidade batizada de gramatura e padronizada na norma ISO 536. Gramaturas comuns no dia-a-dia são 75g/m² e 90g/m².

pH

    O pH varia de 0 a 14, sendo pH=7: neutro. A maioria dos papéis são ácidos, o que acelera seu amarelecimento e decomposição. À medida que o ácido do ambiente interfere no papel, o pH do mesmo começa a cair para menos de 7, tornando-se ácido, o que faz com que o desenho fique amarelado. Para papéis artísticos, o pH neutro é fundamental para prolongar a durabilidade da obra.

Tamanhos

Atualmente há basicamente dois sistemas de padronização do tamanho do papel em vigor: o sistema internacional (A4 e derivados) adotado na maioria dos países, e os formatos adotados nos EUA e Canadá (como o Letter).

Tamanhos de papel da série A da norma ISO 216 (em milímetros):

A4 – Tamanho: 21,0 x 29,7 cm.
A3 – Tamanho: 29,7 x 42,0 cm.
A2 – Tamanho: 42,0 x 59,4 cm.
A1 – Tamanho: 59,4 x 84,0 cm. 
A0 – Tamanho: 84,0 x 118,8 cm.


A Escolha do Papel

Quanto mais alta a gramatura, mais grosse mais resistente o papel. O papel de grão fino permite diferentes gradações e grissês; O pappel de grão grosso é mais rugoso e confere um efeito de traços descontínuos; Os papéis de grão médio proporcionam um meio termo entre os dois efeitos. Cada material pede um tipo  determinado de papel:

  • Para trabalhos contornados com caneta fina é indicado um papel de grão superfino ou fino, para que o traço da caneta seja contínuo e limpo.
  • Para trabalhos com grafite com técnicas de fusões e esfumados, o ideal é um papel de grão fino ou médio, com textura lisa. Estes também são indicados para desenhos trabalhados com lápis de cor. Um exemplo comum é o papel 60 kg.
  • Para técnicas de carvão e pastel são indicados os papéis de grão médio, pois são melhores para reter as partículas do carvão e do pastel. Um exemplo é o papel vergê.
  • Trabalhos com técnicas aguadas é aconselhável utilizar papel específico para estas técnicas de grão médio ou grosso.

Sulfite (75 g/m²) 

O papel sulfite é indicado para lápis comum HB ou 2B, rascunhos.
 

Sulfite (90 e 120 g/m²) 

Essa gramatura de sulfite suporta lápis de grafite mais macios como 4B e 6B. 
 

Opaline ou Westerprint (90 a 120 g/m²)

Esse papel é indicado para lápis (grafite de todas as espessuras), canetas de base líquida e tintas de secagem rápida.
 

Canson 

O papel Canson pode ser encontrado em diversas cores e gramaturas. Suporta bem tintas com base de água, com secagem rápida a média. São indicados para aguadas, Ecoline, Aquarela, Acrílico, etc. Esse papel també dá bons resultados para trabalhos feitos com técnicas à lápis de cor, pastel seco e crayon.
 

Papel manteiga 

Indicado para arquitetura entre outros. É um papel semi-translúcido de superfície áspera que pode ser utilizado para copiar um desenho ou esboço e transpassá-lo a um papel melhor. Não utilize caneta nanquim neste papel, pois por ser áspero, gasta a ponta da caneta.
Para o desenho de moda, pode ser utilizado para copiar posições e fazer simetrias em desenho técnico de roupas.

Papel vegetal 

Também utilizado em arquitetura e cartografia. É um papel, também semi-translúcido, que serve para se fazer arte-final sobre o rascunho, com a caneta nanquim, por exemplo. Assim como o papel manteiga, pode ser utilizado para fazer cópia de uma posição do croqui de moda, sem necessidade de usar uma mesa de luz. 
 

Schoeller 

Schoeller é uma marca de papel alemã que tem suas próprias especificações para as diferenças de cada tipo de papel que comercializa. 

Hammer 1G / 1R (150g/m2)*
Hammer 3G / 3R (200g/m2)*
Hammer 4G / 4R (250g/m2)*
Hammer 6G / 6R (300g/m2)*
Hammer 4G Dick / 4R Dick (1.300g/m2)*
* G = papel liso e R = Áspero

 
Esses papeis são indicados para quase todas as técnica e materiais. Os papéis Schoeller são muito caros aqui no Brasil, mas oferecem alta qualidade, o que dá ótimos resultados ao desenho. Portanto, são indicados para quem faz ilustrações de moda e deseja obter resultado profissional.
Fontes: 

Obrigada pela sua visita e volte sempre!

Se inscreva no canal do You Tube Design de Moda por Tânia Neiva e ative as notificações para receber novos vídeos. Deixe o seu like e contribua para o crescimento do canal! Deixe um comentário para tirar as suas dúvidas e fazer sugestões de vídeos e posts para o blog!

Tânia Neiva

Graduada em Estilismo e Moda da UFC e especialista em Metodologia do Ensino de Artes pela Universidade Estadual do Ceará. Atua na área de planejamento e criação de coleções de moda. Lecionou nos cursos de Design de Moda da UFC Centro Universitário Estácio do Ceará.

3 thoughts to “Tudo que você precisa saber sobre papel para desenho”

    1. Quanto maior o número menor o papel. A1 corresponde ao tamanho de dois A2, o A3 corresponde a dois A4, que corresponde a dois A5e assim por diante.

Comentários fechados.