Desde que surgiram os problemas relacionados com o aumento do lixo, surgiu também o conceito de reciclagem e a preservação do meio ambiente tornou-se um assunto comum. Com o aumento do consumo de alimentos industrializados, surgiu o grande desafio de qual destino dar às embalagens já utilizadas e descartadas. Nesse sentido, algumas ações como a coleta e a reciclagem de materiais tem sido estimulada.

As garrafas PET estão entre os materiais mais reciclados atualmente  e o aproveitamento de garrafas de água e refrigerante tem sido incentivado cada vez mais, permitindo o uso da matéria original para a fabricação de diversos produtos. Um dos produtos mais divulgados é o tecido feito de fibras de poliéster a partir de garrafas recicladas.  Essas fibras estão sendo largamente utilizadas na indústria têxtil e nas confecções.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de PET (ABIPET), em 2008 foram recicladas no Brasil 253 mil toneladas de embalagens, sendo que 38% foram encaminhadas para a área têxtil. Destes, 44% foram usados na indústria de vestuário, 35% para a produção de cordas, cerdas e monofilamentos e 21% para não-tecidos. 

Até aí, parece que não existe nenhum problema com essa prática, que à primeira vista até parece  algo muito benéfico para o meio ambiente. Afinal, as garrafas recicladas deixam de ir para o lixo para ser transformado em roupa.

Porém, a malha PET apesar de muito difundida como matéria-prima sustentável, não é uma boa alternativa, porque não resolve totalmente o problema. Isso não passa de uma solução fácil e ilusória que as pessoas acabaram acreditando. Descubra porque, continuando a ler este post. 

O que é PET

PET é o plástico mais resistente para fabricação de garrafas e embalagens.Devido às suas características, esse plástico mostrou ser o recipiente ideal para a indústria de alimentos e bebidas em todo o mundo.

A palavra PET é na verdade a abreviação de Politereftalato de Etileno, um polímero termoplástico, ou seja, um poliéster, que é uma fibra sintética, produzida a partir de resinas derivadas de petróleo. As fibras sintéticas foram desenvolvidas inicialmente com o objetivo de copiar e melhorar as características e propriedades das fibras naturais, mas se tornaram um problema ambiental que poucas pessoas conhecem.

Leia também: O Que Há Por Trás dos Tecidos Sintéticos

O que não se fala sobre o PET

Na fabricação do PET, são usadas várias substâncias tóxicas e outras são geradas durante o processo. Uma dessas substâncias é o trióxido de antimônio, um metal pesado e venenoso que pode criar câncer. A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) classifica o trióxido de antimônio no Grupo 2B – possivelmente carcinogênico para o ser humano.

A pesquisa [Endocrine disruptors in bottled mineral water: total estrogenic burden and migration from plastic bottles] foi realizada por cientistas da Johann Wolfgang Goethe University, em Frankfurt, e publicada na edição online da revista Environmental Science and Pollution Research. provou que Garrafas plásticas de água, em embalagens PET, polietileno tereftalato, podem conter quantidades substanciais de produtos químicos que ‘imitam’ ou alteram o hormônio estrógeno humano. 

Antes mesmo desta pesquisa, diversas pesquisas anteriores já haviam demonstrado os riscos à saúde das embalagens feitas com policarbonato, com bisfenol-A (BPA).

A substância orgânica Bisfenol-A (BPA) é um outro grande vilão na produção de garrafas de plástico e de outras embalagens. Esta substância de fórmula (CH3)2C(C6H4OH)2 é um estrogênio sintético que pode causar câncer e infertilidade. Já foi provado há anos que o Bisfenol-A pode contaminar os líquidos dentro de garrafas e outras embalagens feitas de PET.

Microplásticos

Roupas feitas a partir de garrafas PET, seriam uma excelente alternativa para reciclar esse tipo de plástico, se não fossem outros problemas que esse processo causa. Um desses problemas é que a cada lavagem desse tipo de roupa milhares de microplásticos são lançados no ambiente, causando um enorme impacto ambiental.

Um dos diretores do The Story of Stuff Project, Stiv Wilson, diz que “Só nos EUA estima-se que existem 89 milhões de máquinas de lavar e que a cada lavagem podem ser emitidas entre 1.900 à 200.000 microplásticos, um cenário de pesadelo.”

Com objetivo de melhorar as propriedades finais do produto, a maioria dos polímeros sintéticos são misturados  com aditivos químicos. Mas esse aditivos quando inalados, ingeridos ou em contato dérmico com o organismo podem ser tóxicos.

Os microplásticos quando são liberados pela lavagem das roupas, vão parar no mar, absorvendo substâncias químicas perigosas, que são ingeridos por organismos marinhos, penetrando em toda a cadeia alimentar, atingindo também os animais terrestres. Além disso, o próprio microplástico é feito de materiais perigosos para os organismos, como no caso de plásticos que contém bisfenóis.

Leia também: Tecidos sintéticos: o perigo escondido no armário das crianças

Por isso há uma crescente preocupação com a presença de microplásticos no meio ambiente. Além das preocupações do esgotamento dos reservatórios de combustíveis fósseis (um recurso natural não renovável) também existem riscos para a saúde relacionados aos componentes químicos.

O projeto The Story of Stuff (“A história das coisas”) fez um vídeo de três minutos sobre a história das microfibras ou microplásticos. Eu espero que depois de assistir esse vídeo você repense sobre comprar roupas sintéticas.

Leia também: Tecidos sintéticos prejudicam a saúde e poluem os oceanos

Greenwhashing

Existe uma apelo muito grande da indústria de malhas de garrafa PET  mostrando quantas garrafas são recicladas para serem usadas nas camisetas. Para produzir um quilo de malha PET são recicladas 11 garrafas de dois litros de refrigerante. 

Campanha publicitária promovendo a malha PET

A indústria da reciclagem alega que deixa de produzir novas unidades de Tereftalato de Etileno, economizando água, energia e matérias-primas, como o petróleo. Mas a verdade é que reciclando PET o problema gerado é bem maior. 

Por trás desses argumentos, algumas marcas se aproveitam da onda da moda sustentável e lança campanhas publicitárias com apelo tipo camisetas descoladas que têm a missão de salvar o planeta, mas na verdade os seus produtos não são tão sustentáveis assim.

As pessoas são influenciadas por esse marketing enganoso ou greenwhasing e acreditam que estão sendo ecologicamente corretas e conscientes comprando roupas feitas de PET. A verdade é que o consumidor desavisado acaba caindo na armadilha da grande indústria do plástico e do petróleo. Tudo isso não passa de uma mentira, que de tanto ser repetida, acaba parecendo verdade.

 

Leia também: O que é Greenwashing

A única maneira de reciclar uma garrafa PET seria transformá-la em outra garrafa PET nova. Mas a garrafa PET não pode ser reutilizada na linha de produção original e o seu processo de reciclagem  é muito caro e complicado, ao contrário das garrafas de vidro.  A propaganda da PET-Recicling. foi criada porque a indústria de embalagens prefere continuar a fabricar novas garrafas PET, ao invés de reciclar.

O resultado disso é que novos mercados para o lixo de PET foram criados que estão estimulando a produção de novas garrafas PET à base da matéria prima petróleo. Afinal, o novo mercado de Eco-Camisas, Eco-Acessórios feitos de PET, precisa de produção de novas garrafas de PET, o que vai totalmente contra a sustentabilidade, contra o meio ambiente e também contra a saúde da população mundial.

Processo de reciclagem da malha PET

O polietileno das garrafas PET é um material termoplástico,  ou seja, quando é aquecidos, esse plásticos amolece e pode ser novamente moldado.

Separação

As garrafas PET depois de usadas são recolhidas pelos catadores, lavadas, separadas por cores enviadas em fardos para a reciclagem. Nesta fase são retiradas as tampas e os rótulos das embalagens, que passam por um processo de secagem.

 

Moagem e fusão

Depois as garrafas são moídas e reduzidas a pequenos pedaços, um produto chamado Flake. O Flake passa por um processo de fusão a 300ºC, e filtrado para eliminar resíduos sólidos, pedras e metais.

 

 

 

 

 

Depois de resfriado com água, o PET é granulado. O nome desse granulado é chip, que pode ser verde de garrafas verdes ou natural, de garrafas transparentes.

 

Extrusão

Depois de misturados, os chips passam por um processo de extrusão a 300ºC, transformando-se em pasta. Essa pasta é colocada numa bomba, passando por microfuros, onde são lubrificados e reunidos em tambores. São os microfuros que determinam os títulos, ou seja espessura da fibra ou filamento. O resultado é uma fibra cerca de 20% mais fina que a do algodão;

 

 

Estiragem e termofixação

Após esse processo, os filamentos saem dos tambores são reunidos e passam por um processo de estiragem e termofixaçãoDepois da termofixação, as fibras saem molhadas, passando em seguida por um secador.

Cardação

Depois de secas, as fibras passam pelo processo de carda  ou cardação, uma operação mecânica que desembaraça, limpa e mistura fibras de modo a produzir uma espécie de fita de fibras. Essas fibras são embaladas em fardos

Fiação e tecelagem

Em seguida as fibras obtidas a partir da garrafa PET são transformadas em fios de poliéster. com esses fios se faz a malha PET, que pode ser 100% sintética ou misturada com algodão. Para cada camiseta, são utilizadas cerca de 2,5 garrafas.

O que você pode fazer

A reciclagem é ensinada às pessoas como se fosse a solução para os problemas ambientais. Nas escolas, as crianças aprendem a fazer brinquedos com garrafas., em casa as garrafas de PET são usadas para várias coisas como vasos para plantas, brinquedos, acessórios de moda, decoração, entre outros. Mas nada disso preserva o meio ambiente.

Se você se preocupa com a preservação do meio ambiente, a ação mais importante é parar de comprar roupas feitas com fibras sintética em geral. A melhor alternativa é dar preferência a   roupas feitas de fibras naturais como linho ou algodão, especialmente algodão orgânico.

Já existem empresas que se preocupam não só com o meio ambiente, mas como todos os envolvidos na cadeia produtiva, desde o produtor do algodão, até quem irá confeccionar as peças. Comprando dessas empresas você fortalece o comércio justo ajuda o meio ambiente. Outra coisa muito importante é dar preferência para marcas nacionais, se possível locais, assim você ajuda a diminuir a pegada ecológica.

O mundo não precisa de garrafas, camisas ou qualquer outro produto feito com PET. Vidro é o melhor material para guardar qualquer alimento ou bebida, inclusive a água. As garrafas de vidro podem ser reutilizadas centenas de vezes. E o material de vidro pode ser reciclado infinitamente.

Conheça a minha loja de Desenhos técnicos vetoriais de moda! Dispensar